27 de mai de 2017

Comunhão: caminhos e descobertas!


Ao contrário do que se pensa, a luta por direitos é um ponto de chegada. É o momento de amadurecimento do sujeito. Não há como voltar ao estado de ingenuidade, ou para a etapa da infância, após um breve período no exercício pela luta por direitos. 

Ao frequentarmos as arenas de luta, ao trocar experiências de profundo viver, ao nos despirmos na frente do outro e deixarmos a nú nossas vontades, anseios, interesses, intencionalidades, medos, melancolias, certezas, gostos, tristezas, alegrias e sonhos damos um passo definitivo para sermos o que devemos ser. Chegamos ao ponto. Ao ponto de chegada. Perceber isto é a diferença entre o sujeito da comunhão e o objeto da coisificação.

Nenhum comentário: