31 de dez de 2011

31 de dezembro de 2011

Último dia de um ano que marca de modo muito forte nossa vida. Deixamos para trás muitas coisas. Esperamos que muitas outras venham. Parece um passe de mágica. Ao mesmo tempo que tudo termina, instantaneamente, tudo recomeça. Coisas de homo sapiens.

Mas de qualquer modo,
somos assim.
Marcamos o tempo,
contamos os momentos,
Edifício São Vito - SP
lembramos o passado,
temos fé no futuro,
as vezes esquecemos,
um momento de vida,
deixamos o presente.

Mas de qualquer modo,
caminhamos, choramos e cantamos.
Vamos na vida e na morte,
contar o tempo que passa,
marcar nossa presença na estrada,
de uma vida conquistada, em minutos,
de uma odisséia humana e falha,
que constrói e conquista,
sonhos de realidade.

Mas de qualquer modo,
seguimos nossa saga,
na busca frenética de um fim,
de finalidades e sentidos,
de uma razão e de um juízo,
que nos inquieta e nos provoca,
numa dinâmica infinita,
e sem dúvida, continuamos,
pois somos assim, de qualquer modo.

27 de dez de 2011

O Ministério Público e a Democracia

Por Miguel Reis Afonso*

Acredito que todos os cidadãos deveriam ter como livro de cabeceira um exemplar da Constituição Federal; nestes tempos é sempre bom termos presente os princípios que conduzem às liberdades democráticas. Iniciei minha militância política e profissional dentro de um período de autoritarismo de Estado, onde não se tinha apego Estado de Direito. Mas são tempos outros.

Mas quero me deter, neste espaço, na análise de uma Instituição de inegável importância para a Sociedade. Como diria meu antigo professor de constitucional, "está lá no livrinho": o Ministério Público é essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe a defesa da ordem jurídica, do regime democrático e dos interesses sociais e individuais indisponíveis.

Durante toda minha vida tive o privilégio de conhecer inúmeros profissionais que honram essa Instituição. Não somente aqueles colegas de turma (lá se vão 30 anos!) que por vocação e determinação defendem a coisa pública como poucos; mas também conheci, ao longo de minha militância, profissionais que se somam à defesa dos pobres, dos despossuídos, daqueles de que foram surrupiados em seus direitos por loteadores inescrupulosos, por verdadeiros latifundiários urbanos e, por conseguinte deterioram o meio ambiente, transformam falcatruas em documentos legais, apropriam-se do espaço público como se privado fosse.

Mas há, também, promotores públicos que se assemelham mais a paladinos da sua justiça, do que propriamente cumpridores de ordem constitucional.
Fui levado a esta reflexão a partir da notícia de que há no fórum local mais uma aventura jurídica de uma promotora local.

Esta ação judicial é contra o desenvolvimento de uma política pública do município. Refere-se ao tratamento dado a uma área que há mais de 20 anos estava degradada, onde dezenas de jovens de nossa cidade e região perderam a vida em suas lagoas. Diante desse problema, o governo local cria um polo educacional superior, oferece parte da área para construção de casas populares e pretende a recuperação dessa área para transformá-la em parque público.

Ai vem a pergunta: é contra isso que é a ação judicial da promotora? E mais: a quem interessa a divulgação desse fato pela imprensa um dia antes do recesso do Judiciário? Ou é somente uma demonstração de arrogância, empáfia e personalismo, impróprias ao exercício das suas funções?
O País ainda tem problemas estruturais a serem resolvidos.

Mas é inegável que a democracia não se consolidará enquanto não tivermos uma prestação jurisdicional eficaz, as garantias constitucionais plenas, extirpando-se os comportamentos inadequados, como desta promotora, que não pretende é claro, fazer JUSTIÇA.

Miguel Reis é Secretário Municipal de Política Urbana 
do Governo Popular de Suzano



24 de dez de 2011

Um Natal Feliz e Irreverente a todos e todas

TEMPO DE RENASCER E APROFUNDAR NOSSAS CONVICÇÕES, DEPURAR NOSSO MÉTODO, APERFEIÇOAR NOSSA CAMINHADA, REAFIRMAR NOSSOS COMPROMISSOS E ABRIR CAMINHOS.
SABEMOS QUE O MAIS IMPORTANTE NÃO É VENCER A LUTA E SIM TRANSMITÍ-LA. CADA NATAL É OPORTUNIDADE DE REAFIRMAR A VIDA E CELEBRAR A LUTA DE NOSSO GRANDE MESTRE JESUS CRISTO.
TAMBÉM É A OPORTUNIDADE DE PERCEBER SUA PRESENÇA EM MUITOS DE NOSSOS COMPANHEIROS E COMPANHEIRAS.
TAMBÉM EM NÓS.
Rosenil dez/2011 

15 de dez de 2011

Elementos de uma luta política

Temos tido uma experiência muito intensa na organização da luta política em nossa cidade e em nossa região neste último período. Como membro do Partido dos Trabalhadores a partir de Poá-SP, e membro do Governo Popular de Suzano,  nos apropriamos de saberes e ferramentas políticas que permitem abrir, para nosso próprio entendimento, na prática concreta e, estabelecer trocas com os companheiros, os quais, temos a oportunidade de partilhar nosso dia a dia de trabalho, de vivência e de solidariedade.

Experiencia de vida e de luta,
construção coletiva do espaço,
esperança em nossa humanidade,
Coragem de ousar e permanecer.

Enfrentar as dificuldades,
consolidar um governo popular,
construir um partido de trabalhadores,
apropriar de instrumentos da luta.

Criar as oportunidades,
defender direitos,
buscar a justiça,
desmascarar os oportunistas.

Passos de uma luta longa,
fundamentada na história e na militância,
garante vivência, solidariedade e trabalho,
partilha o entendimento e saberes.

Somos membros de um projeto,
que caminha por todo o Brasil,
também pelo mundo afora,
Somos militantes lá e aqui.

Mas avanços são necessários,
construir a igualdade na diversidade cultural,
missão da humanidade,
política e luta é o caminho.

Propriedade coletiva dos meios,
de produção, de divulgação,
tanto de informação,
como de conhecimento.

Somente com mais humanidade,
baseada na luta a favor da vida,
do amor,
de tudo que vale a pena.

Senão será barbárie,
guerras, desperdícios e arrogancias,
somos de luta e de história,
não se amedronte, vamos continuar...
Rosenil - 15dez2011.

9 de dez de 2011

A LUTA DE QUEM VÊ MAIS LONGE É SEMPRE VITORIOSA

Fiquei muito feliz em saber que os petistas de Poá continuam firmes na caminhada. Para muitos, o resultado das prévias foi considerado como a morte da proposta política do PT em Poá, afinal quem vai a frente como candidato a prefeito não tem identidade petista para tal representação. 

Mas, particularmente, não penso assim. primeiramente gostaria de parabenizar os militantes que se esforçaram o máximo para visitar os filiados e convidá-los para votar no Rosenil. Estou certo de que só por estas visitas já valeu a pena as prévias. O resultado, mesmo não homologando a candidatura orfaniana, não deixou de ser expressivo, e, demonstrou que na cidade de Poá tem muitas pessoas filiadas ao Partido dos Trabalhadores que ainda acreditam em uma proposta diferente para  a cidade, em valores que muitos já desistiram de buscá-los, mas, que a vida, constantemente, se encarrega de nos mostrar que sua ausência continua a alimentar a exclusão o preconceito e todo tipo de discriminação na sociedade. Queremos construir uma sociedade melhor, queremos construir uma administração com participação popular pois sabemos que só onde o povo participa de verdade se pode falar de uma sociedade que está combatendo a corrupção e todos os desvios dos bens públicos que de forma positiva ou tendenciosa os meios de comunicação tem se encarregado de denunciar nos últimos tempos.
O mais importante é que a luta continua e estou convencido de que os militantes petistas tem um papel fundamental, a começar pela eleição para o legislativo. Continuo sonhando com um mandato de vereador com participação popular que possa fazer a diferença no legislativo poaense. A história recente nos mostra que não basta ter no legislativo um membro do Partido dos Trabalhadores, é necessário ter alguém que comungue com os ideais, com a história e com os projeto político do partido, alguém que tenha na sua base pessoas militantes, petistas de verdade. Esta missão continua aberta para todos nós.
Penso, também, que os militantes do PT que fizeram um excelente trabalho de visita e convencimento precisam ampliar esta prática e ir atrás dos movimentos sociais que existem na cidade e, inclusive, ver a possibilidade de fomentar a existência de alguns que tem sido tão importante na sociedade brasileira e que ainda não estão organizados na cidade. Esta missão e importantíssima para todos nós, afinal, penso que a ausência destes movimentos na base de sustentação de nossas propostas políticas tem enfraquecido a nossa luta e levado muitos, que se diz petistas, a vender seus votos nas próprias prévias do PT.
Se alguém pensa que somos poucos, que não da para acreditar em transformações sociais, na verdade não somos poucos, somos apenas os que não desistiram. Também há aqueles que apenas estão cansados, quem sabe, dormindo nos aguardando para despertá-los.  Parabéns militantes poaenses. Vamos fazer deste processo eleitoral um tempo forte de consolidar nossas convicções, de fortalecer nossa luta, de marcar nossa presença no legislativo  e de imprimir nossa marca nos movimentos sociais de nossa cidade.

De Esperança em Esperança
Toninho 


(Antonio Agostinho é filósofo e teólogo)

7 de dez de 2011

Em resposta aos Ratos Gordos de Santa Isabel

Por Claudio Domingos Fernandes

Em solidariedade ao amigo Pe. Gabriel Bina e em respostas aos ratos gordos de Santa Izabel, que têm medo da disputa política de forma inteligente e ética.

Confabulações de um urubu literato 

Sou um Sarcoramphus papa, singelamente conhecido como Urubu Rei. 
Nomes humanos. Embora imponente no nome, não encontro simpatia entre alguns humanos que tendem a me relacionar a aqueles entre eles de visão “negativa” ou “reduzida”. 

O meu imponente nome é devido minha exuberante coloração, presente principalmente na cabeça. E aqueles que me atribuem uma figura triste, talvez não saibam que sou um importante higienizador do meio ambiente. Eu me alimento de animais mortos, muitas vezes acometidos de doenças que poderiam atingir os humanos. Com este meu refinado habito alimentar, elimino matérias orgânicas em decomposição e ajudo a controlar a disseminação de epidemias. Acredito ser meu habito alimentar o motivo que faça alguns humanos criarem-me uma imagem negativa, outro motivo talvez seja o forte cheiro que exalo quando de barriga cheia. 

Por estes dias tem chovido muito, e para mim que me abrigo em copas de árvores, são dias incômodos. Depois, tenho uma asa caída, por descuido me resvalei num aeroplano, isto prejudica um pouco o meu vôo e, portanto, a possibilidade de encontrar alimento. Aqui então em minha copa de árvore, esperando que a chuva atenue, assim como a dor que sinto na asa, fico a confabular: “Como um ser humano pode ver o mundo através de meus olhos e julgar-me pessimista?”. Este e tantos outros termos (feminista, homofóbico, machista, racista, idealista...) cabem apenas aos humanos, que os cria, para se dizerem e ao mesmo tempo se protegerem de si mesmo. 

Um entre eles disse faz algum tempo que o humano só pode falar de Deus de três modos: de forma hiper-positiva (é o sumo bem), de forma negativa (não é isto ou aquilo), e por analogia (é como tal ou qual...). Penso que o mesmo serve quando os humanos falam da realidade e de si mesmos. Estão sempre circulando entre uma destas formas. Mas da mesma forma como um dia chegaram à conclusão de que Deus não existe, porque não sabem qual o modo certo de dizê-lo, negam também a existência de si próprios e da realidade, por não saberem dizê-las. 

Como eu não preciso da linguagem para existir ou deixar de existir Sou: Apenas Sou. 

Texto presente em meu recem lançado livro: VACUOS MUNDI

Claudio Domingos Fernandes é filósofo e Teólogo.

6 de dez de 2011

Racismo em Santa Isabel – deputado José Candido repudia charge de jornal racista

Nossa solidariedade ao Pe Gabriel Bina, grande militante humanista, cristão e solcialista. Nossa solidariedade ao povo de Santa Isabel e nossos parabéns ao Deputado José Candido, grande lutador pelos direitos humanos e pela igualdade racial.



Publicado em 2 de dezembro de 2011 por imprensa

No dia 12 de novembro próximo passado o jornal Agora News, de Santa Isabel publicou uma charge em que coloca um urubu pintado de verde, com a seguinte legenda: “em Santa Isabel, a esperança é um urubu pintado de verde”.

Ocorre que em Santa Isabel, o nosso amigo Padre Gabriel, que é negro, um importante ativista na luta da promoção da igualdade racial, principalmente no seio da igreja católica, decidiu juntamente com seus pares, que irá concorrer ao cargo de prefeito daquela cidade. Tanto que se afastou da direção da paróquia onde está há 14 anos.

Recentemente o Pe. Gabriel inaugurou, com mais três partidos, além do Partido Verde, no qual se filiou, o seu escritório político na cidade.

O Padre Gabriel não é do meu partido, mas eu o conheço há muitos anos e por ele tenho amizade e respeito, principalmente pela sua luta em defesa da igualdade, da fraternidade e da paz.

Não devemos nunca nos calar diante de qualquer atitude preconceituosa e racista, e entendo que um jornal tem o dever de informar e não difamar, como é caso aqui relatado.

Estamos no Ano Internacional do Afrodescendente, conforme decidido pela ONU, e uma demonstração de racismo odioso como deste jornal, nos faz refletir o quanto ainda estamos longe de conquistarmos a autodeterminação do povo negro e afrodescendente neste país.

Temos a lei que considera o racismo crime inafiançável. Porém, temos pouquíssima informação sobre alguém ter sido preso por ter praticado racismo no Brasil, daí chegamos à conclusão de que a nossa democracia ainda é muito frágil.

Para terminar, quero dizer que defendo a liberdade de imprensa, mas não defendo os maus jornalistas que, por atrás desta liberdade, cometem crimes de calúnia, difamação, racismo ou qualquer outro tipo de preconceito.
Sr. Presidente, fiquei indignado com o que vi, o redator do jornal fez pedido de desculpas, sem assumir a sua responsabilidade. É inadmissível essa falta de respeito com uma autoridade da igreja, o padre Gabriel. É inadmissível uma charge preconceituosa, feita porque o candidato é negro e pertence ao Partido Verde. Isso foi uma maldade sem comparação, pois evidencia que o racismo ainda persiste em algumas pessoas que muitas vezes deixam cair suas máscaras. Isso chega a ser odioso, de uma maneira que não há nem cabimento comentarmos.

Quero então, repudiar esse jornal e dizer que, se depender de mim como sendo deputado negro, representante dos Direitos Humanos e representante da Frente Nacional da Igualdade Racial, vou trabalhar para que esse tipo de preconceito não aconteça.

Discurso proferido durante a 145ª. Sessão Ordinária realizada em 29.11.2011

5 de dez de 2011

A luta continua...

Obrigado a todos que acreditaram em nossa organização, vamos continuar nossa caminhada...

precisamos trabalhar mais....
aprender mais....
estudar mais....
e entender melhor...

Grande abraço a todos.

Rosenil.

3 de dez de 2011

Sem medo de experienciar a democracia e a força da base social.

A identidade de um povo, construída no dia a dia e consolidada na história, ganha mais significado com a participação de todos. Em nossa jovem nação, tivemos momentos importantes, que chegaram a  mudar o rumo dos acontecimentos em nosso país. Quando um conjunto maior da população mobilizou-se e garantiu seu espaço para fazer valer sua vontade mudanças efetivas se estabeleceram.

Amanhã é dia de prévias do Partido dos Trabalhadores nas cidades de Poá e Suzano, ambas do Estado de São Paulo. Sei que outros municípios também estão organizando este importante trabalho. Será mais uma oportunidade concreta, colocada a nosso entendimento, para que possamos aprender e exercitar a democracia e a força de nossa base social.

De minha parte, enquanto pré-candidato ao pleito, tenho minha posição estabelecida, sei que está em jogo na cidade de Poá, algo muito mais, que saber o nome, de quem será o candidato a prefeito pelo PT em minha cidade.

Trata-se, a meu ver, que colocamos nas mãos dos filiados do partido a decisão: se o partido deve continuar existindo ou não no município de Poá?

Quem mais qualificado, para tomar esta decisão, do que os membros que compõe o PT?

Boa decisão a todos. Trata-se da vida, da justiça, do amor pela comunidade, da esperança em nossa humanidade e em nossa capacidade em constuir um futuro que garanta para nós, e para os que virão depois, a oportunidade de experienciarmos nossa grande aventura humana, através da democracia, pela nossa terra.

Grande Abraço.