15 de mai de 2011

Coisas do início do século

Jornal Unicamp out 2002
Mora na filosofia
Procura por cursos de pós-graduação na área
estimula formação de novos programas 


WANDA JORGE

Não se sabe quem veio primeiro: se o aumento dos cursos de pós-graduação gerou o aparecimento de mais pesquisadores em Filosofia; ou se a procura por aperfeiçoamento acarretou a criação de novos programas. Enfim, o que se tem hoje é a proliferação de cursos de pós-graduação em Filosofia, 24 deles credenciados pela Capes e vinculados à Associação Nacional de Pós-Graduação em Filosofia (Anpof), entidade fundada em março de 1983 e que hoje busca criar parâmetros e acompanhar a qualidade dessa expansão de programas de pesquisa por várias regiões brasileiras.


A professora Fátima Évora: tática vitoriosa de multiplicaçãoNa reunião da entidade na primeira semana de outubro, perto de 800 trabalhos foram apresentados nas duas sedes onde o congresso se instalou na capital paulista, o que conferiu alta densidade ao debate filosófico: diariamente, em cada uma das 17 salas reservadas pela Anpof, de 11 a 12 pesquisadores (entre professores e pós-graduandos) apresentavam e debatiam trabalhos, simultaneamente, rotina que se repetiu nos quatro dias do encontro. 

Reviveu-se o pensamento de Kant, Nietzsche, Wittgenstein, passando por pensadores do século XVII como Descartes, Hume e Espinoza e buscando as origens filosóficas em Platão e Aristóteles ou na filosofia da ciência e da natureza. Um leque tão variado como esse, permeado pela Ética, evidenciou a existência hoje de uma pesquisa brasileira madura, páreo com o que é feito no exterior.


É o que comemora a chefe do Departamento de Filosofia da Unicamp, Fátima Regina Évora, por cinco vezes na organização dos seminários da Anpof e sua ex-presidente. Em sua opinião, a expansão do número de pesquisadores e cursos de pós não se deve a um modismo nem investimentos na área. "Trata-se de uma tática vitoriosa de multiplicação de novos profissionais, estimulados a criarem núcleos de pesquisa em seu local de origem acadêmica".


O evento foi considerado uma vitória, apesar de ter recebido poucas verbas oficiais. No final, os 24 coordenadores dos cursos de pós-graduação da Anpof dividiram o tempo da discussão para eleger a nova diretoria com o rateio de recursos, para fazer frente às contas do congresso. Nada, porém, que tirasse o entusiasmo do novo presidente da entidade, João Carlos Sales, doutor pela Unicamp e coordenador do mestrado em Filosofia da Universidade Federal da Bahia. Para Sales, é significativo o crescimento da pós-graduação na área e o desafio da Anpof é manter a excelência já alcançada por quatro programas – Unicamp, USP, UFRS e UFMG.


O trabalho que pretende levar nos próximos dois anos de gestão inclui, ainda, conscientizar as agências de fomento de que o tempo de maturação da filosofia séria é diferente das formas de avaliação dispostas por organismos como a Capes. "A Filosofia tem medidas de avaliação diferenciada; em nossa área, por exemplo, é muito mais importante a produção de um livro do que de papers", destaca o professor baiano, lembrando um dos itens de pontuação dos programas de pós-graduação da agência.


Ao mesmo tempo, ele destaca que a atuação da Capes, no sentido de maior exigência da titulação dos professores, foi positiva e impulsionou a criação de novos programas. "Grande parte dos doutorados nos programas de excelência volta para sua universidade de origem e organiza seu núcleo de pesquisa". Sales é, ele mesmo, um exemplo dessa dinâmica: está à frente de um curso novo de pós na Federal da Bahia, que terá este ano sua segunda seleção e desenvolve três linhas de pesquisa na área de Filosofia Contemporânea.


"Quando o pesquisador retorna ao seu Estado, tem novas perspectivas de trabalho e estimula o desenvolvimento de novos cursos". Fátima acrescenta que durante sua gestão na Anpof conseguiu instalar as ferramentas adequadas para a criação de um banco de dados de teses defendidas e áreas de pesquisa, a ser alimentado pelas 24 programas de pós reconhecidos pela entidade. "Será um facilitador da vida do aluno de pós, além de permitir um radiografia do que é produzido em Filosofia no Brasil", garante a professora da Unicamp.


Bolsas - "O filósofo é um pensador com perfil muito diferenciado e cujo tempo de maturação de seu trabalho varia". Por conta dessa realidade, Fátima analisa que a política de distribuição de bolsas, por parte de agências públicas como Capes, CNPq ou Fapesp, não tem favorecido o pesquisador da área. "Compreendo que cada agência tenha limitação de verbas e queira estabelecer limite de tempo para concessão de bolsas de estudo, que no caso do mestrado é de dois anos. Só é injusto que o departamento seja penalizado quando não se encaixa nesses prazos, não recebendo novas bolsas enquanto o trabalho anterior não seja concluído". A pesquisadora raciocina que essa política acaba provocando distorções, já que o programa de pós em Filosofia da Unicamp, por exemplo, que tem excelência reconhecida pela Capes com nota 6, acabe recebendo menor quantidade de bolsas do que outros programas mais "ágeis" na finalização de trabalho mas com notas inferiores.


"As agências podem estabelecer os prazos que julgue adequados à sua estratégia financeira; só não devem interferir nos programas impondo penalidades, como redução de bolsas". Nessa última reunião da Anpof, alguns debates dedicaram-se exclusivamente a estudar e buscar alternativas à política de pós-graduação e pesquisas na área, acrescenta.

Crescimento inteligente na Unicamp
O professor Marcos Nobre: intercâmbio com a pesquisa internacional  Embora no Brasil existam dinâmicas diferentes de expansão, o salto extraordinário que a Filosofia registrou na década de 90 deve-se à estratégia de primeiro formar um quadro de alto nível de pesquisadores, aptos a fomentar, em seguida, novos núcleos de pesquisas por todo o país. A avaliação do professor Marcos Nobre, coordenador do programa de pós em Filosofia da Unicamp, é que esta dinâmica deu certo, há intenso intercâmbio com a pesquisa internacional, e provou ter fecundidade em outras áreas do conhecimento, numa reflexão geral e também particular do Brasil.


"A Unicamp faz parte do movimento mais amplo de consolidação da área de Filosofia", diz Nobre. Ele assinala que além de abrigar um dos programas líderes da pós, foi no campus de Campinas que, em 1975 - dois anos antes do início da pós-graduação na área - o professor Oswaldo Porchat veio da USP para criar o Centro de Lógica e Epistemologia (CLE). "Pela primeira vez houve um fórum nacional que, inspirado pelo CLE, estabeleceu um patamar de alto nível e rigor conceitual, estabelecendo padrões internacionais para a Filosofia no Brasil".


Na história do desenvolvimento do estudo filosófico no país, enquanto o Sul sempre teve relação mais estreita com a Alemanha, em São Paulo o vínculo era com a França e as universidades do Rio acrescentavam, além dos pensadores franceses, também diálogos com a Bélgica. A partir do CLE, esse leque se abre para novas referências internacionais, que incluem Inglaterra, Itália e Estados Unidos, lembra Nobre.


Desde sua criação e sob inspiração deste espírito do CLE, o programa da Unicamp tem a peculiaridade da relação interdisciplinar na base do trabalho filosófico. Abriga estudos que compõem com outras áreas do conhecimento, como Física, Matemática, Ciências Humanas ou Psicanálise, entre outras.


Na pós-graduação na Unicamp são aceitos estudantes de outras áreas de estudo, mas existe uma "aclimatação". Segundo Nobre, os egressos de outras áreas são encaminhados para um ano de cursos de adaptação em Filosofia. Existem doze linhas de pesquisa, estabelecidas por épocas, que procuram estabelecer fundamentos com outras ciências. "É o modelo do CLE que se mantém como inspiração para o programa de pós", conclui.

Alunos filosofam
Valéria Loturco da Silva: colegas falam a mesma linguagem Valéria Loturco da Silva, formada em Jornalismo, é doutouranda na USP do filósofo Bento Brado Júnior, atualmente professor da UFSCar. O tema de estudo é o Empirismo transcendental na filosofia de Gilles Deleuze. Eduardo Nasser trocou o curso de cinema da escola de Comunicação e Artes (ECA) para o de filosofia da Eduardo Nasser trocou o curso de cinema da escola de Comunicação e Artes (ECA) para o de filosofia da PUC-SP, onde faz iniciação científica com Peter Paul Perbert sobre Nietzsche.


Na origem dessa opção pelo estudo da filosofia, uma troca talvez pouco recomendada por uma visão mercadológica da sociedade, está a busca de uma reflexão mais aprofundada da realidade, uma busca do auto-conhecimento e uma necessidade de maior aprofundamento cultural. "Saí do jornalismo pois enxergava nessa atividade uma forma superficial de tratar os assuntos, e queria mais. A filosofia é um curso denso que oferece poder de reflexão e busca o que há de mais valoroso no ser humano". Para Valéria, a faculdade funciona como um lar, pois lá as pessoas falam sua linguagem. "O aluno de filosofia precisa ter vocação para leitura", recomenda.


Eduardo Nasser: encontro com NietzcheEduardo também se sente em casa nas aulas de filosofia. Sua motivação para trocar o disputado curso de cinema da USP foi a inquietação que sentia diante das formas de linguagem impostas aos processos de criação. "No cinema, eu que buscava formas mais puras de criação, percebi muita contaminação da linguagem dominante do mercado". Proveniente de um meio familiar hostil à filosofia, ele acha que se encontrou estudando o filósofo do niilismo.

Nenhum comentário: