9 de mai de 2010

Conferência Regional de Saúde Mental: contradição - vitória e derrota

A Conferência Regional de Saúde Mental que teve lugar nos últimos dias 07 e 08 de maio na cidade paulista de Suzano reuniu um grupo importante e representativo de trabalhadores, usuários e intersetoriais do sistema público de saúde. Realmente uma grande vitória.

Organizada em tres eixos de discussão os debates foram importantes, e a meu ver, bastante intensos,  mesmo que precionada pelo tempo, percebeu-se um esforço em garantir a participação e a democratização do debate, das intervenções e do conteúdo. Considerando a dinâmica utilizada, que é um exercício importante e um método forte de construir conciências e ampliar o entendimento de cada um sobre os avanços conquistados e os desafios importantes que temos pela frente.

Mas ficou claro também que realmente ninguém é invulnerável a propaganda da mídia burguesa e à idelologia dominante. A conferência regional perdeu uma grande oportunidade em incluir nos documentos da conferência uma proposta de melhoria do financiamento do sistema público de saúde.

As propostas concretas para aumentar a capacidade orçamentária do sistema ficou "manca" quando coloca-se as metas para melhoria em termos de novas práticas, métodos e recursos, mas não enfrenta o problema crucial e concreto da falta de recursos materiais e financeiros do sistema.

Os conferencistas presentes deixaram claro que,  infelizmente, são ainda "presas fáceis" para a propaganda de desmonte do Estado e o fortalecimento das práticas mercadológicas no sistema de saúde, existente principalmente no Estado de São Paulo, que sequer chamou a conferência estadual.

O fato de termos a mais de vinte anos o mesmo modelo de política conduzindo nosso Estado, com certeza encontra respaldo no pouco entendimento do público, mesmo que qualificado, em perceber a relação existente entre as práticas de desmonte do Estado, a abertura de flancos para que a saúde pública seja tratada como mercadoria. Isto ocorre tanto na formação de novos profissionais como na própria execução dos serviços.

É uma pena que a etapa regional não tenha se atentado para este problema. Vamos ver se em São Bernardo do Campo as coisas possam avançar.

Um comentário:

NAIR disse...

Em convivendo com pessoas,tanto usuários qto profissionais da área de Saúde Mental na cidade ,já havia percebido esta fragilidade ,a qual você cita. Mas minha preocupação vai além,boa parte dos fúncionários dessa área não são apenas presas fáceis com relação a questão ideológica,qto aos conservadorismos no trato com a questão, mas ainda desconhecem em muito a legislação concernente aos usuários dos serviços de tratamentos mentais embora sejam especialistas na área.Embora eu não seja qualificada Tecnicamente,este é um assunto que sempre me interessou,como uma questão de relação e direito do cidadão.EM nossa cidade foi dado um passo importante com a criação dos CAPSs,mas falta muito,principalmente em se tratanto da visão dos profissionais e da própria comunidade....Enfim materialmente até avançamos mas ideológicamente falta muito,e me preocupa ainda mais o futuro pois depois de avanços,mais devemos temer o retrocesso.