17 de abr de 2010

Carta a Miguel Reis

Querido Miguel, companheiro da luta.....
                                                                                                          Planeta Terra, 16 de abril de 2010

Tenho pensado muito neste últimos tempos à luz da experiência intensa de nosso esforço junto, e ao mesmo tempo parte, do Governo Popular. Não poderia ser diferente.

Dos aprendizados em andamento, eternos por sua natureza, mas na ousadia de ente que julga, dotado de razão, inundado por sensações e, prisioneiro as vezes por opção, as vezes não, dos humanos instintos e sentimentos, me proponho a concluir, estabelecer e construir pressupostos.

Das conclusões, imutável é o ensinamento de meu velho e morto pai, que diz: casa que falta pão todo mundo briga e ninguém tem razão; das coisas, a mais feia é brigar por causa de mistura e; amigo é dinheiro “honesto” no bolso. (o grifo de “honesto” é meu).

Tenho partido deste ensinamento e extrapolado julgamentos, análises e critérios para a política.

Quando falamos de orçamento público, penso que a cidade é a casa que falta pão. Imagino que brigar por causa disto é perder a razão. Penso que se de modo honesto, pudermos aplicá-lo, construiremos amigos e superaremos a falta.

Tenho entendimento que ao somar 2 + 2, o resultado das parcelas é a soma. Mas com os mesmos elementos se multiplicarmos 2 * 2, o resultado das parcelas é o produto. Assim que penso quando está envolvido o esforço humano:

O trabalho puro e simples, comandado pelo capitalista que detém o capital é uma mera soma. O trabalho puro e simples inter-relacionado com o capital, comandado pela ação política é produto que se multiplica.

Este fenômeno de capital * trabalho (2 * 2) se dá na identidade do trabalhador com o capital. Isto é possível nas cooperativas, nas associações e principalmente no mundo da construção coletiva do conhecimento ( as universidades).

Foi pensando com estes elementos, e muitos outros que compartilharemos neste processo, fiz aquela pequena interjeição na reunião com o pessoal da Unipiaget.

Não está dada ainda nenhuma proposta revolucionária na relação que se poderá estabelecer no processo de apropriação que a universidade fará junto às mentes de nossos jovens e nossa cidade, e que nossa cidade e nossos jóvens farão com a universidade.

O que me parece axiomático, é que algo novo, num espaço novo, com pessoas novas, mesmo que com experiência velhas, cria as possibilidade de construir um modelo de apropriação cujo centro não seja os créditos, mas o modo de financiar os créditos.

Para avançar, intuitivamente, nesta direção o papel do Governo Popular frente a lógica de mercado sendo jogada com generosa articulação política pode dar frutos que historicamente ficarão marcados.

Grande Abraço.

3 comentários:

Regina Goes disse...

Palavras tão lindas e atitudes tão feias....chego a duvidar da legitimidade de suas escritas pq na internet qq um pode estar por traz do teclado.
Atitude feia provocando servidor p depois se fazer de vitima..O AGREDIDO...ai ai q cômico...não nega pq eu vi e vc viu q eu vi.
Atitude feia passar rindo do pobre coitado do servidor q está lutando por condições dignas de vida.
MUITO FEIOOOO MESMO.
Já te disse q não te respeito como cidadão e agora digo q não te respeito como homem e como mulher sinto pena da sua esposa q não deve ter um marido sensível e carinhoso.

regina goes disse...

Nunca escrevo junto com ninguém e assino meu nome em tds as postagens pq não tenho nada p esconder de ninguem...
Longe de mim querer saber de sua vida pessoal, apenas quis fazer um paralelo em relação a sua sensibilidade, pq uma pessoa q entra no meio de pessoas pacíficas peitando td mundo como vc fez não tem sensibilidade é o q eu penso.
Se vc entendeu q em algum momento quis me meter em sua vida pessoal eu só posso lamentar.
E q em um outro momento aqui neste blog eu havia dito como cidadão e agora quis dizer como homem sensivel, e eu entendo q só podemos medir a sensibilidade de um homem qdo se trata de homnem/mulher.Acho q não faltei com respeito pq não disse demais foi só um exemplo.
Acho q já fiz propaganda demais do seu blog, não havia coments nenhum por aqui agora já está bem recheado por isso me despeço daqui deste espaço democrático e popular, não precisa bloquear e nem excluir..

regina goes disse...

apagou tds os posts e deixou os meus aki sem sentido....
ta com medo de q governo popular...eu tenho td salvo...